ALEXÂNIA-(GO) Uma garota de 16 anos foi morta, dentro da sala de aula.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; no dia 06/11/17 às 15:h19min. Por SEGURANÇA PRIVADA Jucelino…

Garota de 16 anos é morta a tiros dentro de sala de aula.

Compartilhe: Divulgação Raphaella foi morta com vários tiros na cabeça.
Um rapaz armado invadiu uma escola estadual de Alexânia (GO) e matou uma adolescente de 16 anos que cursava o 9º ano do ensino fundamental. Segundo a secretaria estadual de Educação, Cultura e Esportes (Seduce), o crime ocorreu por volta das 8h desta segunda-feira (6).

A vítima, Raphaella Novisk, estava em sala de aula no Colégio Estadual 13 de Maio quando Misael Pereira, 19 anos, entrou no local usando uma máscara para esconder o rosto e com um revólver calibre .32. Após identificar a jovem, o rapaz atirou diversas vezes.

Segundo a delegada Rafaela Azzi, que apura o assassinato, todos os disparos cerca de 11 disparos foram direcionados no rosto dela. “Tudo indica que foi um crime passional”, disse.

Único alvo dos tiros, Raphaella não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O atirador deixou a sala de aula correndo, mas foi detido em flagrante logo após o crime, do lado de fora da escola. Misael tentava fugir em um veículo dirigido por um amigo. O motorista disse aos policiais que não sabia o que jovem pretendia fazer.

Segundo a Seduce, Misael não é mais aluno do colégio. Ele não tem passagens pela polícia e, ao que tudo indica, decidiu atirar na adolescente porque ela não correspondia aos seus sentimentos.

Três psicólogas e uma assistente social da Coordenação Regional de Educação, Cultura e Esporte (Crece) foram deslocadas de Anápolis para Alexânia a fim de apoiar a equipe da escola, alunos e familiares.

A morte de Raphaella ocorre menos de um mês depois de um garoto de 14 anos, estudante de um colégio particular de Goiânia, levar para a escola a arma de sua mãe, uma sargento da Polícia Militar, e atirar contra os colegas de classe. Dois adolescentes morreram e cinco foram feridos pelos disparos. O jovem que atirou disse que sofria bullying.