ARAGUAÍNA-TO. Ex-funcionário rouba dinheiro da loja com ajuda do seu próprio irmão, quita dívida e faz viagem com próprio dinheiro do roubo.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; no dia 28/08/17 às 07:h01min. Por SEGURANÇA PRIVADA Jucelino…

Ex-funcionário assalta empresa com ajuda do irmão, quita dívidas e faz viagem de lazer com dinheiro roubado.

Compartilhe: Divulgação Polícia Civil Com os suspeitos foram apreendidos a motocicleta utilizada no crime e ainda à quantia de R$ 35 mil em dinheiro.
A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 2ª Delegacia de Palmas, efetuou, na manhã desta sexta-feira, 25, as prisões de Valdinei de Jesus Lopes, 22 anos e seu irmão José Wilson Lopes, de 31 anos.


Os dois são os principais suspeitos de praticarem um roubo à mão armada contra uma empresa de bebidas de Palmas, no dia 21 de julho de 2017, de onde roubaram mais de R$100 mil. Eles foram presos, mediante cumprimento de mandados de prisão preventiva.

Conforme apontaram às investigações, no dia 21 de julho, por volta das 19 horas, Valdinei e seu irmão José Wilson, que era funcionário da empresa, chegaram ao local em uma motocicleta e, armados, renderam o tesoureiro e o obrigaram a lhes entregar todo o dinheiro dos caixas, totalizando a quantia de R$ 105.580. Foi pedida então a prisão preventiva dos suspeitos, que foram localizados nas respectivas residências deles, no Jardim Aureny III.

O Polícia Civil apurou que, após o roubo, os suspeitos quitaram dívidas pessoais e fizeram uma viagem de lazer até o Estado de Goiás. No momento da prisão, os policiais civis apreenderam a motocicleta utilizada no crime e ainda à quantia de R$ 35 mil em dinheiro, além de vários comprovantes de pagamentos.

O fato de ser funcionário da empresa ajudou J.W.L. a planejar o crime, uma vez que ele conhecia a rotina de trabalho e sabia quais os horários em que haveria mais dinheiro nos caixas do estabelecimento. Os irmãos foram conduzidos à sede da 2ª Delegacia e, após os procedimentos legais cabíveis, foram encaminhados à Casa de Prisão Provisória de Palmas, onde permanecerão à disposição do Poder Judiciário.