BRASÍLIA- DF.” O programa Minha Casa Minha Vida pode acabar em junho, com o governo Bolsonaro.

DIVULGAÇÃO 1° P/ USUÁRIO.”

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, afirmou nesta quarta-feira que os recursos para o programa habitacional Minha Casa Minha Vida vão se esgotar em junho e a continuidade dependerá de aportes.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; No dia 06/05/19 às 12:h07min por SEGURANÇA PRIVADA jucelino… ( FOTOS e VÍDEOS ) compartilhe.”

Segundo a Agência Câmara, o ministro fez o comentário durante audiência conjunta na Câmara dos Deputados. “Nós só temos recursos orçamentários para seguir até outubro. Mas com o contingenciamento só chegaremos até junho. A partir de junho, se não houver ampliação do nosso limite, não teremos como executar”, disse o ministro, de acordo com a agência.

O ministro do desenvolvimento falou que não terá mais recurso para o programa minha casa e minha vida.”

As ações da MRV, maior construtora de imóveis econômicos do país, fecharam em queda de 2,98 por cento, entre as principais baixas do Ibovespa, que recuou 0,9 por cento. Os papéis de outras construtoras também recuaram, com Tenda caindo 0,9 por cento, Direcional perdendo 2,1 por cento, Eztec em baixa de 1,5 por cento e Cyrela teve desvalorização de 1,7 por cento.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, afirmou nesta quarta-feira que os recursos para o programa habitacional Minha Casa Minha Vida vão se esgotar em junho e a continuidade dependerá de aportes.

Segundo a Agência Câmara, o ministro fez o comentário durante audiência conjunta na Câmara dos Deputados. “Nós só temos recursos orçamentários para seguir até outubro. Mas com o contingenciamento só chegaremos até junho. A partir de junho, se não houver ampliação do nosso limite, não teremos como executar”, disse o ministro, de acordo com a agência.

As ações da MRV, maior construtora de imóveis econômicos do país, fecharam em queda de 2,98 por cento, entre as principais baixas do Ibovespa, que recuou 0,9 por cento. Os papéis de outras construtoras também recuaram, com Tenda caindo 0,9 por cento, Direcional perdendo 2,1 por cento, Eztec em baixa de 1,5 por cento e Cyrela teve desvalorização de 1,7 por cento.