CUT: pronuncia SE FIZEREM INDIRETAS, FAREMOS ‘FORA MAIA’ FORA CÁRMEN LÚCIA’ E GREVE

CUT: SE FIZEREM INDIRETAS, FAREMOS ‘FORA MAIA’, ‘FORA CÁRMEN LÚCIA’ E GREVE


Representantes das centrais já estão em Brasília para a marcha que ocorrerá nesta quarta-feira (24), durante a qual esperam levar até 100 mil pessoas, aumentando a estimativa em relação à última sexta (80 mil); na Câmara, onde participou de reuniões para discutir os preparativos do ato, o presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou que não adianta tirar o presidente Michel Temer e convocar eleições indiretas; “Querem tirar um golpista e colocar outro para fazer a reforma trabalhista e da Previdência”, denunciou

23 de Maio de 2017 às 17:32 // 247 no Telegram


Rede Brasil Atual – Representantes das centrais já estão em Brasília para a marcha que ocorrerá nesta quarta-feira (24), durante a qual esperam levar até 100 mil pessoas, aumentando a estimativa em relação à última sexta (80 mil). Na Câmara, onde participou de reuniões para discutir os preparativos do ato, o presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou que não adianta tirar o presidente Michel Temer e convocar eleições indiretas. “Querem tirar um golpista e colocar outro para fazer a reforma trabalhista e da Previdência”, denunciou.


Segundo ele, o movimento de amanhã é não apenas para pedir a saída de Temer, mas cobrar eleições diretas imediatamente. “Se fizer eleições indiretas, vai ter o ‘Fora Maia’, o ‘Fora Cármen Lúcia’, ou fora qualquer outro que não for eleito com o voto popular”, disse Vagner, em entrevista coletiva com sindicalistas e integrantes de movimentos sociais, referindo-se aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Supremo Tribunal Federal (STF), cotados como “presidenciáveis” em uma eleição restrita ao Congresso. “Credibilidade só se dá com eleição. Vamos ficar mobilizados até ter diretas já.”


Além da aprovação da eleições, o presidente da CUT disse que é preciso retirar as reformas em tramitação no Congresso. “É diretas já com a imediata retirada da pauta. Ou construiremos uma nova greve geral, as centrais e os movimentos organizarão uma greve maior que a do dia 28 (de abril)”, afirmou.

Ele manifestou preocupação com possíveis ações da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal, que teria a pretensão de revistar individualmente os manifestantes. “Isso é uma atitude de provocação, que vai trazer conturbação”, criticou, afirmando que já se montou um “aparelho de guerra” hoje, como se fosse “para defender o Congresso de um ataque militar inimigo”.