Itacajá-(TO).” Cleomar eleito prefeito da cidade com 52,9% dos votos na cidade de Itacajá.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; no dia 03/12/17 às 20:h13min. Por SEGURANÇA PRIVADA Jucelino…

Cleoman Correia é eleito prefeito de Itacajá com 52,9% dos votos.

Candidato Manoel Sousa Pinheiro (PSDB) ficou em segundo com 46,73% dos votos válidos. Votação teve 91,21% de comparecimento dos eleitores.


Vice Clodoaldo Pereira e o prefeito eleito Cleoman Correia.

O candidato Cleoman Correia Costa (SD) venceu neste domingo (3) a eleição suplementar de Itacajá, na região norte do Tocantins. Ele e o candidato a vice Clodoaldo Pereira do Nascimento (PR) tiveram 52,90% dos votos válidos. Ao todo, a chapa conseguiu 2.545 votos, contra 2.248 do adversário Manoel Sousa Pinheiro (PSDB), que terminou com o percentual de 46,73%.
A eleição ocorreu de forma tranquila e nenhuma urna apresentou defeito. De acordo com o sistema de apuração do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 91,21% dos eleitores compareceram às urnas. O município tem 5.410 eleitores, sendo que 719 são indígenas de 16 aldeias da região.
O terceiro candidato teve somente 18 votos, 0,37% do total. A abstenção foi de 8,79%, o que corresponde a 473 eleitores.


Clelonan Correia Costa tem 48 anos, é natural de Itacajá, servidor público e foi vereador por três mandatos. Além disso, está respondendo pela presidência da Câmara de Vereadores porque o presidente está ocupando o cargo de prefeito interinamente. Ele é casado e tem dois filhos.
Está é a segunda eleição suplementar realizada no Tocantins em 2017. Em junho, os eleitores de Taguatinga também tiveram que eleger um novo prefeito. Nos dois casos, os candidatos eleitos em 2016 foram impedidos de assumir os cargos.
Entenda
A cidade está sendo governada interinamente pelo presidente da Câmara de Vereadores, Wesley Clayton Barros (PSD). Isso porque o Tribunal Superior Eleitoral impediu que Manoel de Souza assumisse o mandato.
Ele teve o maior número de votos em 2016, mas teve o registro indeferido porque teve as contas de governo rejeitadas pela Câmara do Município quando foi prefeito da cidade, entre 2009 e 2012. Mesmo assim, ele conseguiu disputar as eleições suplementares.