PALMAS-TO.” Escolas são fechadas no Tocantins e não agrada população.

DIVULGAÇÃO  1°  P/  USUÁRIO.”

CORTES DE GASTOS: 21 Escolas são fechadas no Tocantins e não agrada população.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO;  No dia  05/02/19  às  13:h10min  por SEGURANÇA PRIVADA jucelino… ( FOTOS e VÍDEOS  ) compartilhe.”

Toda vez que eu passo em frente eu penso que sempre quis estudar no Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (Caic), porque essa escola é grande e tem uma estrutura enorme, além de ser perto da minha casa”, afirma o estudante Asaph Cley Gabriel Lopes, 11 anos. Porém, o objetivo do pré-adolescente está mais longe de ser alcançado. O colégio, localizado no setor Aureny IV, faz parte das 21 escolas da rede estadual que devem ser fechadas pela Secretaria da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), no que o órgão está chamando de reordenamento. A medida faz parte da reforma administrativa anunciada na sexta-feira, 1°, pelo governo do Estado.

“Acho que eles deveriam reformar e não desativar a escola”, acredita a mãe do menino, a telefonista Flaviane Lopes Gaspar. Na opinião da mãe, o fechamento da unidade no bairro prejudica a comunidade, porque muitas crianças que estudavam na escola moram próximo à unidade. “Quantas crianças agora terão que estudar longe de casa? Com certeza é uma perda grande para nós”, desabafa.

Também indignada com o fechamento da escola, a técnica de enfermagem Rosana Volf conta que ela concluiu o ensino médio no Caic, além de seus filhos também terem estudado lá. Para ela, essa trajetória vivida por muitos moradores do bairro, que está localizado na região sul de Palmas, mostra que o colégio tem um valor social e histórico para o lugar. “Acho um absurdo fechar uma escola. Na verdade, o governo deveria abrir mais possibilidades de ensino e não acabar com 21 unidades já existentes. Acho que será uma perda grande para nós, enquanto sociedade, principalmente pelo aspecto da educação”, menciona.

A maioria das escolas fechadas é em cidades do interior do Tocantins, como em Xambioá, Arraias, Taguatinga, Rio Sono, Tocantinópolis entre outras. Em Palmas, além do Caic, o Colégio Estadual Augusto dos Anjos, localizado na Quadra 607 Norte, também não irá mais funcionar. As duas unidades estão localizadas em regiões carentes da Capital.

Sindicato

Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Tocantins (Sintet), José Roque, o primeiro impacto do fechamento das escolas é em relação aos postos de trabalho, porque muitos professores e todo quadro administrativo das unidades vão perder seus empregos. Segundo o representante, cada escola tem uma média de 30 funcionários e mais de 600 pessoas vão perder os trabalhos. “Os efetivos devem ser remanejados, já os contratos irão perder o emprego. A comunidade também vai perder muito com isso, porque alunos que moravam perto das escolas terão que se deslocar para outras unidades”, observa o presidente.

Já em relação à qualidade do ensino, Roque não acredita que o fechamento das unidades resultará em impactos relevantes. “Nesse quesito não acho que haverão grandes pontos negativos. Porém, a direção do Sintet está durante esta segunda-feira em reunião para decidir qual será o posicionamento do Sindicato diante desta medida do Governo”, afirma.

Educação

O professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT) Eduardo Cezari comenta que o fechamento de 21 escolas é uma decisão que envolve muitos fatores e entre eles pressão por redução nos gastos públicos. “Que ao atingir a Educação nos leva a percepção de que estamos falhando enquanto sociedade”, completa.

O especialista ainda aposta que as escolas precisam se modernizar, porque em sua visão, a redução de matrículas no ensino médio é uma realidade que está ocorrendo em todo o País. “Precisamos compreender os motivos do abandono da possibilidade de um futuro com melhores condições de vida e criar oportunidades para que o jovem de hoje consiga estudar sem precisar trabalhar”, diz.

Por fim, Cezari enfatiza que fechar escolas nunca é um bom sinal para a Educação de um estado. “Por isso penso que as escolas precisam se modernizar, sobretudo na gestão dos recursos, e notadamente fazer parte do projeto de desenvolvimento para a região. Uma reforma que corta na Educação antes de outras áreas precisa de atenção”, finaliza.

Estado

Cerca de 150 mil alunos voltaram às aulas na rede pública estadual de educação do Tocantins nesta segunda-feira, 4. Após o fechamento dessas unidades, a Seduc afirma que 4.858 alunos foram remanejados para outras escolas, assim como a lotação dos 1.508 profissionais em atuação nestes locais, com exceção dos casos de contratos suspensos pela administração estadual.