POLÍTICA-TO. Governador do Estado do Tocantins Marcelo Miranda é alvo da quinta fase da operação Ápia da Polícia Federal.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; no dia 18/08/17 às 10:h10min. Por SEGURANÇA PRIVADA Jucelino…

Governador Marcelo Miranda é alvo da 5ª fase da Operação Ápia da Polícia Federal

Ele deve ser ouvido nesta manhã na Justiça Federal, em Palmas. Primeira fase da operação foi deflagrada em outubro do ano passado e investiga desvios de recursos públicos.

Governador do Tocantins é alvo de nova fase da Operação Ápia

A Polícia Federal realiza a 5ª fase da Operação Ápia, denominada de Operação Convergência, na manhã desta sexta-feira (18), em Palmas, para investigar pagamentos indevidos em obras de infraestrutura no estado do Tocantins. Um dos alvos é o governador do Tocantins Marcelo Miranda (PMDB). A informação inicial é que ele foi intimado e deve ser ouvido nesta manhã na Justiça Federal por um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), já que Miranda tem foro privilegiado em razão do cargo que ocupa. A primeira fase da operação foi deflagrada em outubro do ano passado.

O outro alvo da operação é o procurador-geral de Justiça, Clenan Renaut de Melo Pereira. Nesta manhã, policiais federais também foram à casa dele, na quadra 108 Norte, onde cumpriram mandado de busca e apreensão. A informação é que ele não estava na residência, mas que também foi intimado para prestar depoimento.

O governador informou, através da assessoria de imprensa, que está disponível para prestar quaisquer esclarecimentos e disse que irá se manifestar após o depoimento. O G1 tenta contato com a defesa do procurador-geral de Justiça.

Segundo a Polícia Federal, cerca de 40 agentes cumpriram mandados de busca e apreensão e intimações. Todos os depoimentos serão acompanhados por um ministro do STJ e por um subprocurador da República.

A apuração, que tramita no STJ apontou que obras de terraplanagem e pavimentação asfáltica realizadas no estado entre 2011 e 2014 custaram cerca de aproximadamente R$ 850 milhões, e geraram créditos indevidos a empresários.

A operação foi nomeada de “Convergência” porque faz interseção entre a Operação Ápia e Operação Reis do Gado.