PRESÍDIOS-TO” Governo contrata empresa privada para assumir os presídios do Tocantins, empresa Embrasil segurança.

Governo contrata nova empresa para assumir presídios por R$ 23,9 milhões
Contratação foi feita após Justiça determinar a saída da Umanizzare, empresa que comandou os dois maiores presídios do estado por seis anos.

Nova empresa vai administrar a Casa de Prisão Provisória de Palmas e o presídio Barra da Grota, em Araguaína.

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; no dia 23/12/17 às 17:h21min por SEGURANÇA PRIVADA Jucelino…

 

Após a Justiça determinar o cancelamento do contrato com a Umanizzare, o Governo do Tocantins contratou uma nova empresa para assumir a Casa de Prisão Provisória de Palmas e o Presídio Barra da Grota em Araguaína. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (1º).

A Embrasil Segurança foi contrata em caráter emergencial para assumir os serviços durante 180 dias. O valor do contrato é de R$ 23,9 milhões. O governo disse que durante esse período vai abrir um processo licitatório.

O contrato com a Umanizzare encerrou nesta quinta-feira (30). Durante seis anos a empresa administrou os dois maiores presídios do estado. Em junho, a Justiça ordenou a suspensão das atividades da empresa, mas o prazo foi prorrogado por várias vezes. Em outubro deste ano, a Justiça considerou que os contratos não foram válidos e reconheceu que houve irregularidades na contratação da empresa, como o sobrepreço.

Na decisão, o juiz Roniclay Alves de Morais, da 4ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas ordenou que o Estado cumprisse o Cronograma de Transição e realizasse as nomeações de todos os aprovados no concurso do quadro da Defesa Social e Segurança Penitenciária. A expectativa era que o governo assumisse as atividades executadas pela terceirizada.

O caso
O contrato entre o governo e a Umanizzare foi firmado em dezembro de 2011 após a empresa vencer a licitação, que tinha outras duas concorrentes. A Umanizzare foi a única que apresentou todos os documentos pedidos.

No primeiro ano de atuação no estado, em 2012, a Umanizzare recebeu mais de R$ 21,6 milhões. No ano passado, o valor ultrapassou os R$ 41 milhões. O montante recebido em cinco anos é de mais de R$ 163 milhões, conforme levantamento feito pela TV Anhanguera e dados repassados pela Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça.

A saída da empresa também foi pedida pelo Ministério Público Estadual. O pedido foi feito após a crise no sistema prisional que deixou mortos durante rebeliões em três estados no começo deste ano. Um dos presídios em que houve massacres, o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, é administrado pela empresa.

De acordo com levantamento feito pelo MPE, no ano de 2012, o Estado repassava à Umanizzare o valor de R$ 2,7 mil por preso. Em dezembro de 2016, o valor passou para R$ 4,1 mil, muito acima do valor médio praticado nos presídios brasileiros, que é R$ 2,4 mil por preso. Nas unidades prisionais federais de segurança máxima o valor é de R$ 3,8 mil.

Segundo o MPE, além de valores exorbitantes pagos pelo Estado e falta de licitação para prestação do serviço, a Umanizzare era acusada de assumir a atribuição de vigilância armada, atividade privativa do estado e não autorizada à empresa.

Na época das acusações, a Umanizzare disse que o contrato foi firmado mediante licitação e que os valores praticados estavam ajustados “de acordo com cláusulas expressas no contrato público que prevê a reposição da inflação, do aumento nos custos e dos salários.”

Sobre afirmação de que a empresa executava serviço de vigilância armada, a Umanizzare disse que “as atividades da empresa de forma nenhuma se confundiam com as atribuições de segurança e disciplina previstas na Lei de Execução Penal e pertinentes unicamente ao poder público. Os agentes de socialização da Umanizzare nunca portaram qualquer tipo de arma – letal ou não letal – ou sequer cassetetes.”

Em outubro deste ano, o juiz Roniclay Alves de Morais, da 4ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas declarou nulos os contratos firmados entre o Estado e a empresa.

Qualificada para terceirização e sistema de co-gestão prisional, com metodologias operacionais focadas na recuperação de detentos e reintegração a sociedade.


• Serviço de alimentação

• Serviços odontológicos

• Serviços médicos

• Serviços farmacêuticos

• Serviços de hotelaria e higiene

• Serviços de Limpeza

• Monitoramento imagens

• Manutenção

• Parcerias e projetos sociais

• Direcionamento religioso.

Escolta Armada
AUTOTRAC E BASE 24 HORAS

A Escolta Armada da Embrasil é sinônimo de confiança e segurança. Nossos veículos são monitorados através do AUTOTRAC – Rastreamento por satélite – durante todo o seu trajeto, do início ao fim do percurso. Além desse aporte tecnológico, nossa Base de Operações (DEA) funciona 24 horas e conta com profissionais altamente capacitados para gerenciamento de crise e monitoramento da operação.

 

SITUAÇÃO DE RISCO

No caso de alguma ocorrência, nossos profissionais estarão habilitados para lhe atender, pois estão em constante treinamento para situações de risco. Tiro embarcado, técnicas de abordagem, direção defensiva, ostensiva e de combate são algumas das capacitações de nossos profissionais.

 

SUPORTE DA POLÍCIA RODOVIÁRIA

 

Para que você fique ainda mais tranquilo, nossos profissionais mantém contato direto com a Base de Operações, informando situação e repassando informações que caracterizem um risco eminente. Desta forma, é possível pedir apoio da Policia Rodoviária Federal ou equipes mais próximas.

 

É por tudo isso que você pode ficar tranquilo. Nossa equipe está pronta para lhe atender da melhor forma, com os melhores equipamentos, a melhor tecnologia e os mais bem preparados profissionais.