SEGURANÇA PRIVADA/ Comissão aprova percentual de 20% para vigilantes mulheres em bancos.

DIVULGAÇÃO 1° P/ USUÁRIO.”

DESTAQUE

Comissão aprova percentual de 20% para vigilantes mulheres em bancos.

Por- Agência Brasil.”

NOVA REDAÇÃO:

ATUALIZADO; No dia 30/08/19 às 05:h52min por segurança privada jucelino… ( FOTOS E VÍDEOS ) compartilhe.”

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 1514/19, que determina que bancos tenham quadro de vigilantes com, no mínimo, 20% de mulheres.

Com o projeto, a Lei 7.102/83, que trata sobre a segurança privada no Brasil deverá ser alterada para o novo entendimento da apresentando pela deputada Aline Gurgel (Republicanos-AP).

Segundo a deputada, “A atividade de segurança privada constantemente se depara com situações em que a presença da vigilante do sexo feminino é essencial, a fim de proceder a uma revista pessoal ou mesmo nos pertences das mulheres, evitando constrangimentos indevidos caso fosse um homem a realizá-la”, disse.

O projeto é do deputado Júlio Cesar Ribeiro (REPUBLICANOS-DF), que defende maior acesso ao mercado da segurança privada para as mulheres, dizendo ainda que figura da mulher como vigilante em instituições financeiras facilita a questão de revista em mulheres, caso necessário.

A segurança privada perdeu cerca de 100 mil postos de trabalho nos últimos cinco anos. Os números são da VI Edição do Estudo do Setor da Segurança Privada, da Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores (Fenavist).

Os dados foram divulgados no primeiro dia da ISC Brasil 2019, a 14ª Feira e Conferência Internacional de Segurança, que aconteceu em junho, na capital paulista.

Em 2014, eram 654.899 trabalhadores no setor. No ano passado, o número chegou a 553.905. A situação só não foi pior porque depois de três anos consecutivos em queda, em 2018 o setor registrou um crescimento de menos de um por cento (0,98%). De acordo com o estudo, a forte crise econômica dos últimos anos afetou diretamente o setor. Vários contratantes fecharam as portas.

Com informações da Agência Brasil